Rede Bahia faz novas demissões e troca CBN por Jovem Pan

Ainda não houve anúncio oficial sobre as mudanças, mas as últimas horas foram de tensão dentro da empresa

Uma decisão que surpreendeu os meios de comunicação nesta terça-feira (1º) e que ainda não foi anunciada oficialmente: a Rádio CBN vai deixar de transmitir a sua programa em Salvador e a frequência de 91,3, em Frequência Modulada, vai ser ocupada pela programação da Rádio Jovem Pan, que pertence a um grupo paulista.

O fim da programação local da CBN, acabou provocando demissões, anunciadas na manhã de hoje pelo diretor Luiz Moreira, gerente do setor de rádios da Rede Bahia, em conversa com alguns funcionários. Por motivos contratuais, a CBN continua sendo sintonizada em Salvador até o dia 30 de novembro. Foram seis anos operando na capital baiana.

A comunicação sobre o encerramento das atividades, foi justificada por Luís Moreira, aos funcionários, explicando que a rádio não estava alcançando as expectativas e que foram tentados ajustes, mas que não conseguiram impedir que o projeto chegasse ao fim.

O #AnB vem tentando contato com dirigentes da empresa, mas a informação é de que há uma reunião entre diretores, desde o começo da tarde. Não houve retorno nas ligações para explicar as razões do fim da programação da CBN na capital baiana. Pelas informações obtidas com uma fonte da Rede Bahia, ficaram apenas um estagiário e outras três pessoas ligados a setores de serviços. Ainda não foi definida a situação de alguns jornalistas que atuavam como prestadores de serviço, terceirizando horários de programas.

Ainda não há definição de como vai ser a grade de programação da Jovem Pan, aqui em Salvador, mas alguns apostam que não haverá o mesmo espaço para programação de jornalismo, nos moldes da CBN. Por causa disso, houve demissões, inclusive de repórteres que trabalhavam nas ruas e de um motorista, além de outras pessoas ligadas ao próprio jornalismo e outros setores, num total de sete trabalhadores.

No site da CBN-Salvador, ainda consta a equipe de trabalho que fazia a programação local
No site da CBN-Salvador, ainda consta a equipe de trabalho que fazia a programação local

Apesar de assumir a programação da Jovem Pan, o encerramento  das atividades da CBN deixou em suspense os funcionários de toda a Rede Bahia. Muitos que saem dessa emissora têm outra função dentro da empresa, tanto na TV quanto no Correio da Bahia, mas a decisão dos dirigentes remete às lembranças de demissões que ocorrem há mais de um ano em vários setores da TV, especialmente ligados ao jornalismo.

Muitos revelam o temor que domina funcionários, tanto de Salvador quanto de emissoras do interior. “Estamos no limite mínimo necessário para tentar levar o melhor aos telespectadores”, diz um gerente de jornalismo de uma das afiliadas da Rede Bahia no interior. TV Santa Cruz, TV Subaé, TV Oeste, TV São Francisco e TV Sudoeste formam o grupo das emissoras localizadas em Itabuna, Feira de Santana, Barreiras, Juazeiro e Vitória da Conquista.

O histórico da crise econômica, além das demissões, ficou claro, este ano, com o rompimento do contrato da TV Bahia com a proprietária do Redecop, que mantinha um helicóptero à disposição da emissora durante dois anos, fazendo coberturas diárias nos programas de jornalismo. Em vez disso, a prioridade agora é o uso de equipamento que transmite com sinal de celular.

A crise econômica vem interferindo diretamente nos investimentos da emissora e, de tabela, na audiência, já há alguns anos. Contratações de peso não ocorrem e a alternativa tem sido a busca por jornalistas que estão em início de carreira, ainda que qualificados. Mas a adaptação aos padrões exigidos pela Rede Globo não tem sido uma tarefa fácil para os novatos.

Constantes reuniões são feitas entre diretores da empresa com gestores do jornalismo, tentando encontrar meios de superar a concorrência que cresce a cada instante. As próprias reuniões de pauta do jornalismo, de acordo com produtores, editores e repórteres, têm sido tensas, pela dificuldade de encontrar rumos que possam combater o crescimento de audiência das outras emissoras.

“A gente reza todo dia para terminar cada reunião. E reza mais ainda pra dar tudo certo e a gente conseguir estar empregado no dia seguinte”, diz uma produtora com quase dez anos de empresa e que prefere não se identificar.

A crise no setor de radiodifusão de Salvador segue preocupando os profissionais. Semana passada, o #AnB noticiou o fim do contrato entre a Rádio Excélsior e o radialista e empresário Mário Freitas, que mantinha, há vários anos, uma equipe de esportes na emissora, com vários profissionais.

Jovem Pan

No fim da tarde, uma empresa que faz assessoria de imprensa divulgou nota, confirmando a mudança. Na íntegra, diz o seguinte:

Diante do acelerado processo de modernização tecnológica e de conteúdos, e do novo perfil de pessoas que estão cada vez mais conectadas, principalmente os jovens, a Rede Bahia resolveu investir nesse novo segmento, provendo conteúdos de informação, entretenimento, interações e eventos que dialoguem com esse público. Nesta direção, a empresa dá um novo passo e, a partir de 01 de dezembro de 2016 o dial 91,3, que atualmente transmite o conteúdo da rádio CBN, passará a transmitir a programação da Rede de Rádio Jovem Pan FM.

A Jovem Pan é reconhecida e premiada nacionalmente como emissora com forte identificação com o jovem e a estação oferecerá conteúdos de humor e uma programação musical diferenciada muito aderente ao perfil do jovem ouvinte baiano. Em sintonia com essa modernização, a Rede Bahia investiu na renovação total de um projeto consagrado que é o Festival de Verão Salvador, além de ter lançado aplicativos no portal iBahia, sempre com foco na ampliação nas plataformas de mídia do grupo.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

*