Preservação das células-tronco do dente de leite já é possível em Salvador

Células da polpa do dente de leite têm a capacidade de se transformar em uma ampla variedade de células e servem ao doador e a sua família

Muito já foi falado sobre as células-tronco da medula óssea e do cordão umbilical, estas últimas retiradas na hora do parto e utilizadas no tratamento de doenças sanguíneas. Agora a ciência vem comemorando as pesquisas em torno das células-tronco presentes na polpa do dente de leite. A facilidade em obtê-las e a sua ampla capacidade de diferenciação fazem delas a atual “menina dos olhos” da medicina regenerativa. De quebra, seus benefícios não são apenas para os donos dos dentinhos, mas também para sua família.

Para os pais, a melhor notícia é que as células-tronco do dente de leite podem ser retiradas na cadeira do dentista, durante o período de troca dos dentes da criança, entre os 5 e 12 anos, com a possibilidade de apenas um dos 20 dentes de leite ser utilizado para este fim.

“É uma extração como outra qualquer, os pais só precisam ficar atentos ao momento ideal para essa extração, já que o dente não pode estar muito mole nem muito enraizado ainda, mais especificamente com um terço de raiz”, explica a dentista doutora em implante dentário e credenciada pelo laboratório R.Crio de preservação de células-tronco, Danielle Cordeiro.

Após a extração, cabe ao dentista fazer o armazenamento adequado do dentinho, que é enviado para São Paulo. Atualmente, o principal laboratório brasileiro de preservação, processamento e multiplicação das células-tronco do dente de leite é o R.Crio, situado em Campinas. “Essa polpa será cultivada por profissionais especializados, com a finalidade de extrair e multiplicar as células-tronco, que são do tipo mesenquimais multipotentes”, acrescenta ela.

A denominação células-tronco mesenquimais multipotentes significa dizer que elas têm a capacidade de se transformar em uma ampla variedade de tipos de células, com as de formação de músculos, dentes, fígado, pele, cartilagem, ossos, pâncreas (células beta), tecido nervoso, tecido cardíaco e tecido adiposo.

“É como se as células-tronco funcionassem como uma carta coringa do organismo pelo fato de elas poderem se autorreplicar e diferenciar em variados tipos celulares”, reforça Danielle, que está à frente da Clínica Sorria, referência em implante dentário, e hoje também com atendimento para extração de dentes de leite com finalidade de armazenamento das suas células tronco.

Danielle realça que, desde que as células-tronco do dente de leite foram descobertas, em 2002, despertaram interesse de imediato por terem características semelhantes à população de células tronco mesenquimais da medula óssea, sendo que a última década de estudos mostrou que suas capacidades de proliferação e diferenciação são superiores às das células da medula. Fora isso, o procedimento para coleta da medula óssea é invasivo, necessitando de anestesia e afastamento das atividades diárias, enquanto a perda do dente de leite é um processo natural e normalmente indolor.

Outra característica que amplia os benefícios das células mesenquimais do dente de leite é fato de elas serem imunocompatíveis, podendo servir não só ao doador, mas também a toda sua família. “As células-tronco são células jovens e de excelente qualidade e quantidade, portanto indicado para um futuro tratamento de doenças degenerativas”, realça a profissional.

Investimento

O investimento para que sejam armazenadas, multiplicadas e preservadas em laboratório as células-tronco da polpa de dente de leite de uma criança, é de R$2.700 no período da extração do dente, mais uma taxa anual de R$ 700. “A família contrata diretamente os serviços do laboratório, e paga anualmente pelos cuidados que esse laboratório tem para que essas células possam ser usadas a qualquer momento”, explica Danielle.

DANIELLE CORDEIRO é Dentista com residência em Portugal na área de Implante Dentário, doutora em Implantologia, pós-graduada em Harmonização Orofacial e Planejamento Digital do Sorriso, e proprietária e responsável técnica da Clínica Odontológica Sorria, que tem credenciamento junto ao laboratório R.Crio, sendo capacitada a extrair e armazenar dentes de leite com fins de preservação das suas células-tronco. Na área de implante dentário, a profissional é hoje referência na técnica All-on-four, que permite que um arco completo de dentes seja substituído com apenas quatro implantes dentários.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO