Prefeitura mostra imagens de satélite e insiste: CCR devastou bambuzal do aeroporto

Obra foi interrompida por fiscais até que a construtora dê explicações sobre o que a prefeitura chama de devastação de área do bambuzal, um dos cartões postais de Salvador

O túnel formado pelos bambus é considerado um dos cartões psotais naturais mais bonitos de Salvador, impressionando quem passa em direção ao aeroporto(Foto: Reprodução)
A Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura de Salvador distribuiu no começo da tarde desta quinta-feira(25), imagens aéreas que diz terem sido capturadas pelo Google Earth, com as quais quer provar que cerca de 11,2 mil metros quadrados de bambuzal e outros tipos de vegetação foram suprimidos, de forma irregular, na região do Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, em função das obras da CCR Metrô. A ação provocou o embargo das obras de construção do metrô na área, com ameaça de multa de R$ 5 milhões.
Nesta quinta-feira (25) pela manhã, em entrevista a jornalistas durante a inauguração da Unidade de Saúde da Família (USF) Recanto da Lagoa II, no bairro da Fazenda Coutos, o prefeito ACM Neto condenou a ação da CCR, que já foi multada pela Sedur em valores que ainda estão sendo definidos e teve as obras no local embargadas.
“A fotografia é contundente. Foi cometida uma agressão terrível contra um patrimônio natural e um cartão postal de nossa cidade. É uma coisa que choca. A obra lá está interditada. A CCR terá que pagar uma multa e solicitar da Prefeitura o licenciamento, além de fazer uma proposta de recomposição do bambuzal”, revelou ACM Neto. Ele disse ainda que a Sedur tomou uma decisão com fundamenta técnico, como revelam as fotografias, e não político. “O secretário (Sérgio Guanabara) me comunicou e disse que não havia, do ponto de vista técnico, como não embargar (a obra). De modo que não houve interferência política”, complementou.
A suspensão dos trabalhos vem sendo bastante discutida desde que os fiscais da prefeitura de Salvador estiveram no local, provocando um novo clima de disputa política entre o prefeito de Salvador, ACM Neto e o governador Rui Costa. O governo do estado acusa a prefeitura de usar o caso politicamente, mas a prefeitura nega e diz que há critérios técnicos, apenas.
A CCR informa que não houve avanço da área alegada pela prefeitura e que houve necessidade, apenas, da derrubada de 0,19% da área de bambuzal, mas diz que tudo foi feito depois da licença concedida pelo Inema, órgão responsável pelas ações do meio ambiente na capital.
Veja as fotos divulgadas pela prefeitura de Salvador, com comparativo da área, de acordo com a data:

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

*