Passeio inédito no mar marca despedida do verão na Bahia

Mesmo com chuva passageira, o mar esteve muito agitado e dificultou a navegação

Navegação em mar aberto permitiu visualizar trechos muito bonitos da orla, entre Salvador e o Litoral Norte(Foto: #AnB)

O último fim de semana do verão foi marcado por um passeio inédito, pelo mar: 103 motoaquáticas saíram da praia da Ribeira, em Salvador e foram até a Praia da Espera, em Itacimirim, no município de Camaçari, Região Metropolitana de Salvador. A distância percorrida pelo grupo foi de 47 milhas marítimas, em dia de maré muito agitada.

O passeio foi coordenado por Waldy Freitas, veterano na navegação e fã incondicional de motoaquática há mais de 20 anos, com exigências de cumprimento de todas as normas de segurança. O evento teve apoio da Marinha, que foi previamente comunicada e informada dos nomes e identificação de todas as embarcações participantes. “Segurança é o principal ponto de todos os eventos de que participamos e por isso nunca houve problema”, diz Waldy.

Uma lancha da Caboto Sport também acompanhou a o grupo, com mecânicos e equipamentos para emergência. Uma motoaquática do Salvamar também saiu da Ribeira e foi até Itacimirim. Durante todo o trajeto, não houve nenhum incidente e toda a programação foi cumprida, dentro do tempo de viagem previsto.

A saída da Ribeira foi por volta das 9 horas da manhã e a chegada no começo da tarde, depois de algumas paradas para descanso e hidratação dos pilotos. A primeira parada foi na praia da Rua K, no bairro de Itapuã. Depois, em Arembepe e, por último, em Itacimirim, onde o grupo foi recebido com festa e por uma banda de música.

No caminho, outros pilotos que aguardavam em Barra do Jacuípe também seguiram com os que saíram da Ribeira, ampliando o número de embarcações nos 30 minutos de navegação restantes.

Os trechos mais complicados por causa das grandes ondas e da correnteza, foram, entre a costa dos bairros de Amaralina e da Pituba e entre Itapuã e Arembepe, locais onde os pilotos encontraram ondas de até três metros de altura. Mas o vento que vinha do sudeste logo cedo, provocava uma navegação muito instável, com marolas e agitação em todo o trecho da viagem. Por causa disso, a velocidade das embarcações dificilmente conseguia ultrapassar as 25 milhas/hora, pouco menos de 50 quilômetros.

Veja, no vídeo, os principais momentos da viagem e as fotos que marcaram o fim do verão na Bahia, em plena maré de março.

SEM COMENTÁRIOS