Olodum abre o projeto Concha Negra em 2018

Ingressos já estão à venda no local do show e ainda pela internet

Lazinho, vocalista do Olodum(Foto: Paula Fróes/GOVBA)
A abertura do projeto Concha Negra em 2018 será realizada no próximo domingo(7), com show da banda Olodum. O bloco afro, que recentemente foi reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial da Bahia, vai apresentar o show da turnê ‘Eu Falei Farô’, recebendo como convidadas a banda de reggae Ponto de Equilíbrio e a força percussiva da banda Didá. O espetáculo acontece na Concha Acústica do Teatro Castro Alves (TCA), a partir das 18h, com a abertura da Companhia de Dança Lekan Dance.
Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia) e estão à venda na bilheteria do TCA, nos SACs dos shoppings Barra e Bela Vista e no site da Ingresso Rápido.
Para o presidente do grupo Olodum, João Jorge Rodrigues, o Concha Negra é um espaço para fortalecer a música afro. “Esta é uma oportunidade de Salvador ver e ouvir a música negra, além de promover um grande show de uma banda que já esteve em 37 países, participou de seis Copas do Mundo e já tocou com 48 personalidades, além de carregar consigo a maior representação simbólica da Bahia. A força da nossa música estará na Concha”.
Já o cantor da banda, Lazinho, destaca que a Concha Negra representa a inclusão e garante que o público terá um belo espetáculo. “Este é um projeto de inclusão das entidades negras da Bahia no roteiro musical do estado e oferece para o turista a oportunidade de conhecer o trabalho que é realizado. Para o Olodum também será um momento de expectativa pela reação do público que irá para o show. Estaremos reunidos com a força da mulher, representada pela banda Didá, a força do reggae com a Ponto de Equilíbrio, e a força do nosso samba-reggae”.
 
Concha Negra 
O Concha Negra tem por finalidade fomentar a diversidade cultural da Bahia, suas tradições e patrimônios. A primeira etapa do projeto foi iniciada em setembro, com show dos Filhos de Gandhy, em seguida com o Muzenza, em outubro, Ilê Aiyê, em novembro, e Cortejo Afro, em dezembro. Essa primeira etapa será encerrada no dia 4 de fevereiro, com a banda Malê Debalê.
Até o momento, o Concha Negra já recebeu um público de mais de 15 mil pessoas. Segundo a diretora artística do TCA, Rose Lima, a expectativa é que a iniciativa tenha continuidade e contemple grupos de outros estilos musicais e que tenham raiz na música negra. “O projeto é pensado para que, uma vez por mês, possamos ter as entidades que participaram da abertura da Concha realizando o seu show naquele espaço. Com isso, temos condições de mostrar que os grupos afros não surgem apenas no Carnaval e que eles têm força e desenvolvem um trabalho social muito importante dentro da cidade”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO


*